|

Persista! Por Dr. Jou Eel Jia

| BEM ESTAR

Albert foi expulso do colégio e recusado na Escola Politécnica de Zurique por ser “mentalmente lento”. Walt foi demitido de um jornal por falta de ideias. Auguste foi reprovado três vezes no teste de admissão de um curso de artes em Paris. Henry foi à falência cinco vezes. O professor de música de Ludwig dizia que ele nunca seria um compositor. Hoje eles são Einstein, Disney, Rodin, Ford e Beethoven.

Ninguém de nós tem a obrigação de criar algo extraordinário para entrar para a história, mas tem, no mínimo, o compromisso de ser feliz, o que significa satisfazer os próprios desejos, por mais inalcançáveis que eles pareçam. E como se faz isso? Bem, penso que para realizar qualquer coisa na vida é fundamental ter um plano de ação e ele sempre começa com uma motivação concreta.

Você já parou para pensar o que nos inspira a preparar um bolo complicado pela primeira vez? Aquela foto tentadora, certo? Animados com o resultado prometido, estudamos toda a receita, providenciamos os ingredientes, seguimos à risca as instruções de preparo e esperamos pacientemente até que o bolo esteja assado.

Com a vida não é diferente. Precisamos antever onde queremos chegar. Só assim teremos motivação para buscar um modo de fazer, empenho para executar o plano de ação e, sobretudo, persistência para obter um resultado – que nas primeiras tentativas pode não ser o esperado.

Proponho aqui um exercício que pode ajudar. Pegue uma caneta e um papel e descreva detalhadamente como você gostaria que fosse a sua vida daqui a cinco anos. Imagine que você está naquela data e relate, no presente e com o máximo de detalhes, como seria um dia inteiro seu – da hora em que você acorda ao momento em que vai dormir.

Feito isso, vire a página e relacione todas as coisas descritas no verso que ainda não fazem parte da sua vida. Suponhamos que você tenha se visto morando em outro país, mas ainda está no Brasil. Coloque lá: “morar no exterior” e do lado trace um roteiro do que é necessário para isso: oportunidade de trabalho, reserva de dinheiro, amigos estrangeiros etc. Repita o mesmo processo com cada um dos itens.

Pronto! Você tem uma receita de vida. Carregue-a sempre consigo e faça o possível para seguir as instruções ali contidas. É bem provável que, à medida que surjam dificuldades – e elas certamente virão -, você tente desistir com justificativas do tipo “isto não é para mim”, “eu não levo jeito para a coisa”, “não aguento mais”. Nesse caso, vire a página e veja a si mesma daqui a cinco anos. Nada melhor do que sua própria biografia para dizer por que vale a pena continuar lutando.

 

Comments are closed.

Footer