|

Energia estagnada, a porta de entrada para as doenças – trecho de “O Caminho da transformação para a cura” de Dr. Jou Eel Jia

| LIVRO

As imagens e sensações trabalhadas por nossa consciência intuitiva regem a fisiologia do nosso corpo. A energia é o combustível da vida, e a obstrução e a estagnação dessa energia ocasionam as doenças físicas. Quando a linguagem das emoções é reprimida ou interrompida, quando essas imagens e sensações não conseguem se manifestar e a pessoa não pode ser interpretada, compreendida ou satisfeita, isso pode provocar o que a medicina tradicional chinesa chama de estagnação do chi, ou energia estagnada. Usando a linguagem da moderna neurociência, podemos dizer que essa consciência é obtusa ou caiu num processo de oscilação emocional em que a pessoa não consegue se entender ou compreender o que aconteceu.

Uma pessoa vive uma determinada situação que a faz sentir muita raiva. Se a consciência dessa raiva consegue ser extravasada, ela consegue eliminar essa ocorrência e a consequência dela é pequena. Mas muitas vezes alguém sente raiva e não consegue se manifestar, ser assertivo, lidar com essa raiva ou colocá-la para fora, o resultado é que essa energia fica estagnada.

Por que a pessoa não consegue colocá-la para fora? Muitas vezes, o lado racional diz que ela não pode ou não deve reagir porque pode sofrer punições, castigos ou que ela precisa entender melhor o seu entorno e adequar-se ao seu meio. O que acontece então? Ela reprime esse sentimento e o organismo muitas vezes lança mão de formas alternativas e artificiais para extravasar de outro modo, compensando a repressão dessa raiva. A pessoa pode fazer isso comendo, praticando exercícios físicos ou algum tipo de hobby, entre outros mecanismos de defesa. E se não consegue fazer essa energia fluir, ela vai parar, estagnar e assim começar a alterar sua fisiologia.

A energia estagnada causada pela raiva reprimida pode se acumular nos órgãos do corpo. Pela ótica da medicina chinesa, pode invadir o baço ou o pâncreas e levar a alterações gástricas. Sob o ponto de vista da medicina ocidental e da neurociência, o que acontece com uma pessoa que está com muita raiva e não consegue colocá-la para fora? Ela libera muito cortisol, o hormônio do estresse, o que pode levar a um quadro de taquicardia e oscilação da pressão sanguínea. Esse indivíduo pode desenvolver uma gastrite nervosa ou uma hipertensão arterial. É possível que a situação de estagnação chegue ao ponto de implodir ou explodir e provocar um infarto do miocárdio, uma úlcera gástrica ou – se essa repressão durar muito tempo – um carcinoma de estômago. A mágoa é justamente a expressão dessas emoções reprimidas ou que ficaram congestionadas por não conseguirem se manifestar.

Comments are closed.

Footer